Desintoxicação

“Oi Estranho, já faz uma semana que não nos falamos e continuo dormindo e acordando pensando em você. Esse processo de desintoxicação tem sido doloroso, as vezes acredito que é o melhor, que estou no caminho certo, que não valia mais a pena, mas as vezes a abstinência da sua voz, do seu sorriso, do seu carinho, faz o meu corpo estremecer de saudade e ter vontade de por tudo a perder. Muitas coisas me fazem lembrar da sua presença na minha vida, inclusive, algumas pessoas, as mesmas de sempre. Achei que você estivesse preparado para amar alguém como eu, que fosse pensar em outra pessoa primeiro, deixando de lado esse orgulho imaturo e egoísta, e ter a consideração de falar comigo no meu aniversário, dia tão especial para mim. Mas não, você ignorou a data, você me ignorou, rotina com a qual até hoje não me acostumei. Tenho minha parcela de culpa, sempre esperei que você fosse um homem comigo e me tratasse como a mulher que sou, maravilhosa, mas tantas expectativas nasceram e morreram nos meus pensamentos e lá permanecerão até o dia em que eu me tornar livre dessas amarras, desse sentimento, de você. Estou em uma reabilitação do coração e a primeira lição é deixar que as coisas aconteçam, é deixar as surpresas invadirem o meu dia, ao invés de esperar um gesto ou uma atitude. É esse o segredo da felicidade, parar de esperar que as minhas fantasias aconteçam, quando estas não dependem do meu esforço e determinação para acontecer. É triste eu ter que me desencantar de você, mas prefiro que você seja só um estranho do que mais uma decepção. Com amor, Eu.”