Sobre o verdadeiro conto de fadas…

tumblr_ljs50xRVmx1qamgy9o1_500– Vocês tem tudo?
– Tudo o que precisamos.
– Mas não sente falta de um conforto maior, uma estabilidade financeira?
– Temos exatamente o que precisamos.
– Acho legal esse seu jeito. Está sempre de bom humor, com um sorriso que não sai do rosto, mesmo vivendo uma vida tão fora dos padrões!
– Padrões?
– É, serem casados oficialmente, terem uma casa estruturada, um emprego top, com estabilidade financeira.
– Isso me parece um padrão estético, sem liberdade, desejos, personalidade!
– Não, esse é o objetivo da pessoas.
– Das pessoas que não sabem o que querem e seguem modelos, só para ficarem seguras.
– Ah tá, vai me dizer que você não sonha em se casar com ele? Ainda mais ele, um cara tão assediado, propenso a “delitos”. Se fosse eu, já tinha amarrado o cara em um contrato.
– Amarrar? Contrato? Ficar comigo sem vontade? Para que? Não precisamos disso.
– Então você vai viver de amor? Amor não enche barriga e não compra carro zero menina, deixa de ser sonhadora. Vai abrir mão de uma vida de princesa, por esse amor de novela?
– Só tem uma coisa que eu não abro mão, dormi nos braços dele! É quando meu dia zera e ganho força para enfrentar novos desafios. Deitada no braço dele o mundo fica melhor, mais acolhedor, mais colorido. De tudo o que você falou, a única coisa que não abro mão é de dormir abraçada com ele e senti-lo ali, sendo meu parceiro, de verdade, sem padrões, sem obrigações, porque é a vontade dos nossos corpos, nossas mentes.
– Virou hippie?
– Não, só acredito que ter uma vida de princesa é ter uma vida simples. É se sentir completa, realizada, amada. É não precisar de nada nem ninguém, é conquistar a liberdade de estar e ser o que quiser.
– Ah tá, virou feminista. E o tal amor?
– O amor está aqui. Nele me fazendo acreditar, todos os dias, que sou uma princesa. Uma menina livre e feliz, uma mulher inteligente e forte. Capaz de tudo. Está no apoio, na compreensão e no respeito das nossas personalidades, em se adaptar e aceitar um ao outro, independente das diferenças.
– Se apaixonou mesmo ein. Fiquei curiosa, vocês não tem cãimbra no braço? Dor no pescoço? Pernas dormentes? Nunca consegui ficar mais do que 3 minutos abraçada com um cara. Quando os minutos apitam, cada um vai para um lado. Aí sim o corpo relaxa e tenho uma noite bem dormida!
_ (Risos) Sei como é, já passei por isso, mas com ele é diferente. É no abraço que relaxamos, nos protegemos, nos amamos. O que parecia difícil fica tão bobo. O braço não cansa, a cabeça não fica torta. Vai ver isso acontece, porque nossos corpos foram feitos para se entrelaçar.. vai além da matéria. São almas se completando! Se abraçando, se amando. Se revigorando…
Foi como eu disse, nós temos tudo o que precisamos: a companhia um do outro, o que faz tudo se tornar possível, tangível. Somos o combustível que impulsiona os sonhos ainda não alcançados, os desejos ainda não realizados! Somos amigos e namorados. Por isso não precisamos de mais nada… pois somos, exatamente, a paz do compromisso que assumimos com a nossa própria felicidade.

Então eu…

Então eu chorei.

Chorei a dor de sufocar um sentimento tão puro e verdadeiro, por medo de expressá-lo.bracos-abertos

Chorei, porque não suportei a idéia de te amar assim, em pouco tempo, constatando minha irracionalidade.

Chorei por covardia. Eu, que sou uma menina tão determinada, me vi estática naquele táxi, sem coragem.

Sem coragem de reagir ao carinho da sua mão sob o meu joelho, ao seu olhar, visivelmente, apaixonado, ao seu sorriso de uma tarde bem aproveitada.

Fiquei ali presa nos meus pensamentos, no sentimento de angustia que apertava o meu peito e ardia meus olhos, no meu pânico de amar alguém tão bom, tão perfeito, tão livre.

Me recusei a falar. A te contar o que me apurrinhava.

Então deitada em sua cama eu chorei.

Chorei, porque não tinha outro lugar no mundo onde eu preferia estar, que não fosse em seus braços.

Mas de forma paciente você secou minhas lágrimas e me abraçou.

Falou em meu ouvido o quanto me amava, me admirava, me desejava.

A segurança que me passou foi tudo o que precisava para me permitir abrir a guarda.

Foi o necessário para que eu deixasse você me dominar por inteira. Cabeça, corpo e alma.

Ali, encostada em seu peito eu me sentia aliviada.

Depois disso eu aceitei. E vivi tudo aquilo que estava sentindo, de forma plena, completa, sem travas.

Então eu chorei, só que dessa vez foi diferente. Dessa vez chorei lágrimas emocionadas, lágrimas de felicidade, lágrimas que só quem ama e é amada sabe.