O Carrossel não para de girar

carroselPensa na coisa que você mais quer, mas não pode ter. Aquela coisa que faz os seus dias girarem em torno, que, como um imã, te puxa para as lembranças a todo instante.
Você não consegue ter essa coisa, nem vivência-la. Não está ao seu alcance. Então você dá passos de bebê, vive um dia de cada vez, assim como no A.A.. Vai caminhando e tentando conseguir novas experiências, novas coisas, para suprir esse vazio.
Mas a dor, esse buraco no peito, é uma dor forte. Uma dor que sufoca e que te faz desabar diante do cotidiano. Você respira fundo, enxuga as lágrimas e acorda em mais uma manhã lutando para conviver com a incapacidade de realizar o seu maior e mais importante sonho.
“O carrossel não para de girar”, a série Grey’s Anatomy disse em vários episódios da 11ª Temporada. E ela está certa. Não importa quantas perdas, não importa quantas dores, ou quantas frustrações, a vida não para de acontecer e seguir seu caminho.
Fiquei com medo. Medo de nunca ter o que mais quero. Medo de no dia em que eu conquistar esse sonho, ele se torne um pesadelo. Seria possível ser tão feliz e abençoado, com uma vida plena?
Fiquei com medo de ser feliz ao me ver realizando esse desejo. Um medo que embrulha o meu estômago e me faz passar mal.
Tudo é sempre tão sofrido, tão difícil. São batalhas constantes, verdadeiros desafios. Porém, e se depois de tanta provação eu conseguir o que quero? O que vai acontecer?
Toda tormenta é seguida de calmaria. Toda calmaria precede uma tormenta. É um ciclo de altos e baixos dessa passagem na matéria, que vai moldando nosso ser, nos ensinando a sobreviver, mas sem se corromper as futilidades.
Ser plena para mim está relacionada a uma entrega completa. Embora me entregar me remeta as mais fortes dores que já senti. Todo “eu te amo” teve um final triste. Toda abertura de guarda também. Infelizmente não só nos relacionamentos amorosos, mas nas relações familiares, profissionais e sociais também.
Tenho medo de conseguir o que mais quero. E vivo sem conseguir pensar em qualquer outro objetivo, que não seja conquistar essa coisa que mais quero.
Dualidade de vontades, desejos, emoções.
Essa coisa eu não posso comprar. Porque ela é abstrata. Nem coisa, ela é. Só posso conquistar. Só que não parece ser possível tamanha conquista. Na minha cabeça ela é intangível.
Muitas vezes cheguei a acreditar que estava perto, mas hoje vejo que nunca estive. Porque nunca dependeu de mim, nem da minha determinação, foco, paixão.
Incrível como séries, filmes, documentários e livros são capazes de nos fazer experimentar, mesmo que de uma forma fictícia, uma realidade alternativa.
É incrível como eles nos abrem os olhos e nos fazem sentir, nos fazem entrar no lugar do outro e viver suas dores e alegrias. Nos fazem questionar.
Essa 11ª temporada me deixou com medo. Medo de mim e do que que mais quero. Medo de não conseguir e de perder se algum dia eu conseguir. Porque para mim, ganhar, logo em seguida, significou perder.
Medo de estar fugindo, ou me isolando para evitar sentir. Medo de estar sentada no cavalo do carrossel, com a triste certeza de que ele nunca vai parar de rodar. Que somos obrigados a conviver com as adversidades que nos separam e continuar girando, girando, sem nunca interromper esse brinquedo, e nos, verdadeiramente, amar. Tenho medo de sobreviver com a sua ausência e mais medo ainda de ser obrigada a sobreviver sem você.

Ex-Amor

ex amorEx-amor não é ex-relacionamento. Ex-amor é sério e forte. É complicado e corrosivo. É pacífico, embora dolorido. Ex-amor é igual a doce quando se faz dieta: não pode ver, não pode saber, não pode sentir seu aroma pelo ar. Durante a desintoxicação não se pode nem ouvir falar. Porque ex-amor vicia e te faz imaginar. Ex-amor tá diretamente ligado com a liberdade de se deixar ir quando não há reciprocidade. Ex-amor não se impõe ou obriga, voa para longe, se esconde até criar forças para encarar. Ex-amor não tem birrinha, ou discussões infantis. Ex-amor é o amor que não se pode mais estar. É maduro. Compreende. Respeita. Acima de tudo, aceita. Ex-amor carrega tantas lembranças positivas que pode te fazer delirar, ou cair em tentação. Por isso ex-amor é banido da Dieta. Não se pode permitir um dia do Lixo com Ex-amor, e nem uma única mordidinha. Quanto mais longe, mais seguro você está. Porque ex-amor é sincero, é puro, é inerente a sua vontade. Um passo em falso e tudo volta a tona. Mude de Estado. Troque seu perfil. Bloqueia no whatsapp. Bloqueia nos mundos em que vive. Só se supera um ex-amor aprendendo a respirar sem ele, sem a opinião dele, sem o abraço protetor e a mão que acude, dele. Todos conseguem. Todos têm um ex-amor. Poucos entendem que é possível sobreviver com a inexistência dele. Poucos se esforçam para isso. Tampe a memória do Ex-amor, como quem tampa o sol com a peneira. Não mencione seu nome, nem suas experiências compartilhadas. É hora de seguir em frente. É hora de virar a página. É hora de se permitir ser e viver o hoje, o que pode estar presente de corpo e alma.