Polenta Dramalhuda

*Desabafos e experiências de uma Carioca, Mãe solteira de duas cachorras, que agora mora em Curitiba.

Curitiba e os quilos a mais.. 

Sorvete“E o que você mais gosta de fazer carioca(meu apelido no Sul)? COMER!”. Espírito, alma, alegria de gorda. Mas por quê gorda?! Só sou feliz comendo. A mãe de um ex namorado meu uma vez falou “dá gosto cozinhar para a Andréia, ela come com um prazer!”. É verdade, comer é um dos meus maiores prazeres. 

Porém, quando você vem de uma família de obesos, maiores críticos da sua beleza física, e ainda vive em uma sociedade onde a barriga negativa é o ápice da beleza feminina, fica difícil sentir tanto prazer sem sentir tanta culpa.

Desde nova sou a “batatinha”. Engordei, emagreci, engordei, emagreci. Celulites na barriga e estrias na lateral do bumbum são as comprovações científicas de que a minha luta é antiga, sofrida e permanente.

MaderoOlá, meu nome é Andréia Homem e eu gosto de comer. Gosto mesmo. E, hoje, mais madura, dou prioridade as comidas de verdade. Está aí uma troca que fiz e continuo fazendo no dia-a-dia e que nem me importo: o congelado, o artificial e os biscoitos, por comida caseira, comida bem feita, comida real.

Claro, sempre rola uma tentação, uma pressa, ou uma ansiedade absurda, que me leva direto para o Doritos ou a Batata Ruffles de churrasco. Não deveria, eu sei. Mas acontece, de vez em quando!

Tanto amor pela comida também me trouxe à Curitiba. Essa cidade, que as vezes, nem parece Brasil. Que tem uma natureza linda de se admirar. Um fluxo de carros um pouco mais tranquilo, para um Centro urbano. Uma limpeza invejável nas ruas. E que possui Feiras Gastronômicas, Polentas de todo o tipo, vinhos deliciosos, frangos, risotos, carnes, hambúrgueres artesanais, maioneses de batata perfeitas, conchigliones de figo, pizzas, doces e paixão ao se cozinhar.

BoloCuritiba é feita de amor. Sabe aquele amor de vó, sentada à beira da mesa da cozinha? Enquanto aquele cheirinho de bolo assando no forno perambula pelo ar e o café nos desperta para os prazeres culinários…?!

Seu clima bipolar nos permite ser feliz comendo. Sua cultura européia se mistura à nacional e nos presenteia com sabores apaixonantes. Tudo isso a um preço acessível. 

Comer me salva do tédio. Comer une. Comer preenche. Comer nutre. Comer é alegria sem fim. Comer encanta e seduz. Sela casamentos. Pacifica relações.

Por isso como. Como com vontade. Como com prazer. Mesmo ouvindo que engordei, ou que estou gordinha, ou que dessa maneira nunca vou emagrecer. 

Academia está aí para isso. As danças e as caminhadas também estão prontas para me tirar do sedentarismo. Portanto, declaro: enquanto eu viver nessa vida material, jamais vou me negar, novamente, o prazer de comer. 

Quer me conquistar? Cozinhe para mim. Quer me acalmar? Me alimente. Dizem por aí que sou um mal humor em forma de pessoa quando estou com fome e, que posso te enlouquecer repetindo, que nem uma gralha, em seus ouvidos: quero comer, quero comer, quero comer. Macarrão

Parafraseando minha tia, depois de desencarnar vai ficar lamentando não ter comido tudo o que quis. Afinal no outro plano só servem caldo de água, sem gosto. (Ela assistiu no filme Nosso Lar)

E aí, vai morrer sem se permitir o pecado da gula? Não digo comer até explodir. Digo olhar todo dia aquele lindo bolo Indiano na vitrine da Panificadora e se negar ao impulso por causa de dobrinhas indesejáveis. Eu te garanto que não vou.

Aliás, fui, porque já está na hora do lanche.  

gato no telhado

O bom de se morar em um condomínio cheio de cachorros é que NINGUÉM pode reclamar dos barulhos e chateações que o seu Pet proporciona. TODOS tem a extensão do bumbum presa. O ruim é que existe um gato grande, forte e obcecado pela minha casa (e pelo meu telhado), que não dorme a noite e tem por principal diversão implicar com todos os cachorros da rua. Inclusive com as minhas filhas, Lele e Amora.

Assim como em todas as madrugadas após a minha infeliz ideia de dar carinho e pegar no colo o gato do vizinho (começo a achar que ele não tem dono e se tiver, peço desculpas pelos xingamentos a mãe dele), eu acordei no meio da madrugada com latidas, rosnadas e as meninas tentando ultrapassar o meu enorme portão de ferro (o que é impossível).

Se não fosse a enxaqueca que consumia o meu cérebro, eu faria o de sempre, colocaria um travesseiro sob a cabeça e me concentraria no sonho bom da vez. Mas fica a dica: se você tem frequentes cefaleias, não escolha para o jantar um balde de pipoca salgada e de sobremesa um balde de pipoca doce. Sua cabeça vai latejar por um dia (sim ela ainda está latejando).

Bom, percebendo que o próximo passo seria passar mal (não vou informar o que acontece comigo quando a dor aperta, pois vocês podem ficar enojados), resolvi ligar o abajur, levantar da cama, encarar o frio desumano de Curitiba em pleno Outono, subir as escadas (sim tive a brilhante ideia de esquecer a bolsa no andar de cima), pegar minha cartela de Cefaliv, descer as escadas, ir na cozinha buscar um copo de água e enfim voltar para o aconchego dos meus três cobertores.

Tudo indo relativamente bem. Até que, “ué, tem um sujeira na minha cama, perto do travesseiro. Deixa eu cutucar para ver o que é.” Dramalhudas, NUNCA, JAMAIS em NENHUMA HIPÓTESE façam isso. A sujeira era uma ARANHA MARROM esmagada. (entendam o meu desespero: aranha marrom em Curitiba está para barata no Rio de Janeiro, com o agravante da maldita ser venenosa e deixar um buraco no seu corpo).

SIM, eu segurei uma aranha marrom esmagada e quando me dei conta, SURTEI, claro. Tudo isso as 04h da manhã. EU PODIA TER MORRIDO. Sério, ela podia ter me picado enquanto dormia, pois eu a matei embaixo de mim enquanto dormia.

Graças a Deus (e ao frio), fica a dica 2, eu estava cheia de roupas. Pois é, usar um monte de roupas pode salvar a sua vida.

As cachorras continuaram latindo. Minha cabeça continuou doendo. Minha neurose me fez revistar cada lugar do quarto em busca de uma assassina. E meu sono está desestabilizando minha segunda-feira em busca de trabalho.

Dizem que dou dramática, mas agora vocês entendem COMO É DIFÍCIL SER EU?!

307737-1_800Dica para quem mora sozinha e limpa a própria casa: Nunca. Jamais. Em nenhuma hipótese compre a pasta de dente (ou creme dental se preferir) Colgate Luminous White Instant (segue foto).

Primeiro motivo: DE-SIS-TA seu dente não vai ficar visivelmente mais branco em um instante. Aliás, é surreal nós comprarmos essas idéias mesmo sabendo que o Clareamento é sério e só quem faz de verdade é um profissional da Odontologia. (indico a Dr. Fernanda Fernandes no RJ – e não, não estou ganhando Jabar por isso, mas você pode considerar a ideia Fê)

Segundo motivo: Ele mancha a sua escova de dente e a pia. Não importa o que faça. O quanto lave a escova, enxugue, dê beijinhos e guarde como se fosse uma joia. Não importa a cor dela. ELA VAI FICAR AZUL. Repare que as cores da escova de mesma marca é azul e verde. Para você não descobrir que a única coisa que está mudando de cor é a sua escova.

Ah, e a pia. Bom Dramalhudas, a pia ficará cheia de pontos azuis, mesmo limpando com esponja e Sapólio ou esfregando a mão cada vez que escovar os dentes. Sempre. Sempre. Sempre, você encontrará pontos azuis.

Não vale a pena. Resista aos seus impulsos e as promoções. Compre um creme dental clarinho. Quer refrescar os seus dentes e iluminá-los?! Vá ao Dentista, faça um clareamento e chupe uma Halls preta (que é branca e não prejudicará seu investimento financeiro).

Mesmo resultado, nenhuma mancha ou sujeira no seu banheiro!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s