A Menina Invisível

Você lembra daquela menina que ficava te olhando do canto?

Ela daria a vida por você.

Você chegou a reparar que os olhos dela brilhavam de admiração quando você falava ou colocava o seu talento em prática?

Ou como a pele dela arrepiava quando você tocava uma canção?

Emocionada, ela estava ali, aplaudindo a sua vocação.

Sabe aquela menina que te abraçava com vontade, que te escutava com carinho, que ficava quieta quando você descarregava as emoções que oprimiam o seu peito?

A mesma menina que secava as suas lágrimas.

Que te dizia: “Vai!

Eu te ajudo. É só segurar a minha mão.”

Eu sei, tem vezes que você fecha os olhos e lembra dessa menina.

Dos bons momentos que compartilharam.

Do vinho divido.

Das gargalhadas e piadas internas.

Dos perrengues superados.

Aquela menina que tantas vezes teve dificuldades para lhe dizer não.

Porque você era tão importante para ela, que mesmo quando parecia impossível, ela tentava de tudo para te dar um sim.

Ah, aquela menina, que sempre ficou em segundo plano.

Que você deixou para depois.

Que fingiu que ela não era tão importante.

Que fez parecer que não doeu quando ela te disse adeus.

Aquela menina era um anjo te protegendo.

Era Deus inspirando confiança e força quando você mais precisava.

Aquela menina resiliente, paciente, companheira, amiga.

Doce e apimentada.

Que sempre te perdoava.

Aquela menina que foi desaparecendo aos poucos.

Sofrendo calada.

Até que um dia sumiu.

E mesmo invisível aos seus olhos, acredite, aquela menina ainda te amava.

E te protegia.

E por ti zelava.

Só bastava você querer enxerga-la!

Em um segundo… o último segundo.

Eu sempre tive medo que nossas vidas fossem interrompidas em um segundo e eu não pudesse te dar a certeza do quanto te amo.
Ou, deixando a carne para libertar o espírito, não pudesse ter a certeza do quanto me amou, ou ainda ama.
Na minha crença a existência é eterna.
Não é na matéria que termina.
Nem é da noite para o dia.
Com o foco na razão, sei que sempre haverá um amanhã para todos nós.
Mas o meu desejo.
O meu corpo.
Minha mente.
A minha alma.
São todos impacientes.
Ansiosos.
Te querem aqui e agora.
Não compreendem a tua fuga.
A tua frieza.
Os teus medos.
Não compreendem você preferir ir ao ficar.
Escolher me magoar só para não se arriscar.
Cada minuto a menos é uma oportunidade perdida.
E esse é o único extremo que me inquieta.
Não vivo todos os dias como se fossem o último.
Mas queria viver todos os meus dias sabendo que você está do meu lado, aprendendo e ensinando.
Sendo o meu melhor amigo.
Me amando.
Mesmo que este fosse o último segundo.
O último segundo compartilhado.
A primeira jornada de muitas.
Afinal, o encontro das nossas almas já estava predestinado.